Mapas conceituais com CmapTools: uma metodologia ativa de ensino e aprendizagem para nativos digitais

  • Diógenes Gewehr Universidade do Vale do Taquari - Univates
  • Italo Gabriel Neide Universidade do Vale do Taquari - Univates
  • Maria Madalena Dullius Universidade do Vale do Taquari - Univates
Palavras-chave: Estratégia pedagógica. Ensino fundamental. Tecnologias. TDICs.

Resumo

O advento e a popularização das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDICs) vêm transformando a sociedade. A escola, procurando acompanhar essas mudanças, tem testado estratégias pedagógicas que utilizem a tecnologia em sala de aula. Este trabalho relata uma prática com mapas conceituais elaborados no CmapTools, programa gratuito que permite transpor os mapas conceituas criados em papel para o computador. A metodologia ativa de ensino e aprendizagem teve como objetivo tornar a produção de mapas conceituais mais dinâmica e atraente aos olhos dos nativos digitais, bem como comparar os conhecimentos iniciais e finais dos alunos a partir de análises dos mapas conceituais produzidos. Desenvolvida com uma turma de alunos do 7o ano do Ensino Fundamental, foi possível perceber a evolução da aprendizagem quando comparados os mapas conceituais feitos em papel com os desenvolvidos com o auxílio da tecnologia, sendo estes muito mais abrangentes. A estratégia foi considerada positiva, tornando as aulas mais participativas, envolventes e produtivas.

Biografia do Autor

Diógenes Gewehr, Universidade do Vale do Taquari - Univates
Doutorando em Ensino Univates
Italo Gabriel Neide, Universidade do Vale do Taquari - Univates
Prof. Dr. do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Ensino Univates
Maria Madalena Dullius, Universidade do Vale do Taquari - Univates
Prof. Dra. do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Ensino Univates

Referências

ALONSO, Katia Morosov. Tecnologias da informação e comunicação e formação de professores: sobre rede e escolas. Educação e Sociedade, Campinas, v. 29, n. 104, p. 747-768, out. 2008.

ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos; ALVES, Leonir Pessate (Orgs.). Processos de Ensinagem na Universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 10. ed. Joinville, SC: Univille, 2012.

BARBOSA, Eduardo Fernandes; MOURA, Dácio Guimarães de. Metodologias ativas de aprendizagem na educação profissional e tecnológica. Boletim Técnico Senac, Rio de Janeiro, v. 39, n. 2, p. 48-67, maio/ago. 2013.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011.

CANABARRO, Maria Margarete; BASSO, Lourenço de Oliveira. Os Professores e as Redes Sociais: É possível utilizar o Facebook para além do “curtir”? Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 11, n. 1, jul. 2013.

COLL, Cézar. Psicologia e currículo: uma aproximação psicopedagógica a elaboração do currículo escolar. São Paulo: Ática; 2000.

CURY, Augusto Jorge. Inteligência multifocal: análise da construção dos pensamentos e da formação de pensadores. 8. ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

DIESEL, Aline; BALDEZ, Alda Leila Santos; MARTINS, Silvana Neumann. Os princípios das metodologias ativas de ensino: uma abordagem teórica. Revista Thema, Pelotas, v. 14, n. 1, p. 268-288, 2017.

FERNANDES, Elisângela. David Ausubel e a aprendizagem significativa. Título original: A ponte para aprender. Revista Nova Escola. 248 ed. dez. 2011. Disponível em: <http://revistaescola.abril.com.br/formacao/david-ausubel-aprendizagem-significativa-662262.shtml?page=0#>. Acesso em: 11 out. 2015.

FORTE, Luiza Tatiana; RAULI, Patricia Maria Forte. Mapa conceitual: uma proposta para a integração das disciplinas e do conhecimento. In: CONGRESSO NACIONAL DA EDUCAÇÃO, 10., 2011. Curitiba. Anais..., Curitiba: PUCPR, 2011.

KENSKI, Vani Moreira. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. 8. ed. Campinas Papirus, 2012.

KOEHLER, Sonia Maria Ferreira et. al. Inovação Didática - Projeto de Reflexão e Aplicação de Metodologias Ativas de Aprendizagem no Ensino Superior: uma experiência com “peer instruction”. Janus, Lorena, v. 9, n. 15, jan./jul., p. 75-87, 2012.

MAGALHÃES, Graça Cardoso; DEL RIO, Filomena. Mapas Conceptuais Online. In: CARVALHO, Ana Amélia A. (Org.). Manual de ferramentas da Web 2.0 para professores. DGIDC, 2008.

MENDES, Fábio Ribeiro. A nova sala de aula. Porto Alegre: Autonomia, 2012.

MENDONÇA, Conceição Aparecida Soares; MOREIRA, Marco Antonio. Uma revisão da literatura sobre trabalhos com mapas conceituais no ensino de ciência do pré-escolar às séries iniciais do ensino fundamental. Revista Práxis, Volta Redonda/RJ, n. 7, p. 11-35, jan. 2012.

MIRANDA, Guilhermina Lobato. Limites e possibilidades das TIC na educação. Revista de Ciências da Educação. n. 3. maio/ago 2007.

MITRE, Sandra Minardi et. al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & Saúde Coletiva. n.13, p. 2133-2144, 2008.

NOGARO, Arnaldo; CERUTTI, Elizabete. As TICs nos labirintos da prática educativa. Curitiba: CRV, 2016.

NOVAK, Joseph D.; CAÑAS, Alberto J. A teoria subjacente aos mapas conceituais e como elaborá-los e usá-los. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v.5, n.1, p. 9-29, jan./jun., 2010.

PRENSKY, Marc. Digital natives, digital immigrants. On the Horizon. NBC University Press, v. 9, n. 5, oct. 2001.

RIBEIRO, Luis Roberto de Camargo. A aprendizagem baseada em problemas (PBL): uma implementação na educação em engenharia na voz dos atores. 2005. 236 f. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2005.

SEABRA, Carlos. Tecnologias na escola. Porto Alegre: Telos Empreendimentos Culturais, 2010.

Publicado
2018-06-01
Como Citar
Gewehr, D., Neide, I., & Dullius, M. (2018). Mapas conceituais com CmapTools: uma metodologia ativa de ensino e aprendizagem para nativos digitais. Revista De Estudos E Pesquisas Sobre Ensino Tecnológico (EDUCITEC), 4(07). https://doi.org/10.31417/educitec.v4i07.274